Comércio da região de Campinas fatura R$ 3,9 bi em fevereiro

22 . maio . 2017 Print This Article

Em fevereiro, o faturamento real do comércio varejista na região de Campinas atingiu R$ 3,9 bilhões, queda de 2% em relação ao mesmo mês de 2016. O resultado, porém, não interrompe a série de crescimento do setor, pois deve-se considerar o efeito calendário já que ano passado foi bissexto, ou seja, um dia a mais em fevereiro. Vale destacar que a média diária das vendas reais em fevereiro de 2017 foi 1,5% superior a fevereiro do ano passado, o que torna o resultado de -2,0% mais favorável do que pode parecer com a análise isolada do número. No acumulado dos últimos 12 meses, houve alta de 0,6% nas vendas.

Os dados são da Pesquisa Conjuntural do Comércio Varejista no Estado de São Paulo (PCCV), realizada mensalmente pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), com base em informações da Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo (Sefaz-SP).

Das nove atividades analisadas,três apresentaram crescimento no faturamento real em fevereiro na comparação com o mesmo mês de 2016: farmácias e perfumarias (8,5%), lojas de vestuário, tecidos e calçados (6%) e outras atividades (0,8%)que, em conjunto, contribuíram com 1,2 ponto porcentual (p.p.) para o resultado geral.

Em contrapartida, os segmentos de supermercados (-3,9% e impacto negativo de 1,3 p.p.), materiais de construção (-12,1% e impacto de -1 p.p.) e concessionárias de veículos (-2,7% e contribuição de -0,4 p.p.) foram determinantes para o desempenho geral negativo.

Desempenho estadual

As vendas no comércio varejista do Estado de São Paulo registraram queda de 0,8% em fevereiro, na comparação com mesmo mês de 2016. O resultado, porém, não interrompe a série de crescimento no faturamento do setor, pois deve-se considerar o efeito calendário já que ano passado foi bissexto, ou seja, um dia a mais em fevereiro. Vale destacar que a média diária das vendas reais em fevereiro de 2017 foi 2,7% superior a fevereiro do ano passado, o que torna o resultado de -0,8% mais favorável do que pode parecer com a análise isolada do número. Assim, o varejo paulista registrou faturamento real de R$ 45,3 bilhões no mês, R$ 370,9 milhões abaixo do valor apurado em fevereiro de 2016. No acumulado dos dois primeiros meses deste ano, as vendas no varejo cresceram 1,7%, em termos reais, o que que representa R$ 1,6 bilhão a mais de receita. Considerando os últimos 12 meses, o setor apresentou alta de 0,5% nas vendas.

Entre as 16 regiões analisadas pela Federação, sete apresentaram crescimento no faturamento real na comparação com o mesmo mês de 2016, com destaque para Marília (8,7%), Araraquara (8,2%) e Ribeirão Preto (4,4%). As maiores quedas nas vendas foram registradas nas regiões de Osasco (-12,3%), Bauru (-7%) e Litoral (-5,5%).

Das nove atividades pesquisadas, três mostraram aumento em seu faturamento real em fevereiro, na comparação com mesmo mês de 2016: farmácias e perfumarias (16,1%), autopeças e acessórios (13,0%) e outras atividades (0,9%). Essas altas contribuíram para o resultado geral com 1,6 ponto porcentual (p.p.).

As retrações registradas pelos setores de concessionárias de veículos (-8,6%), eletrodomésticos, eletrônicos e lojas de departamentos (-5,7%) e supermercados (-1,4%) foram determinantes para o desempenho negativo impactando com-1,9 p.p. no resultado geral.

Segundo a assessoria econômica da FecomercioSP, o varejo deu andamento no mês a um processo de lenta recuperação de seu movimento, como vinha sendo observado desde novembro. Até o momento, há uma combinação positiva de elementos determinantes para o comércio varejista que acabam por fundamentar a melhora nos indicadores de confiança dos consumidores e empresários, constatada há meses pela Federação. São eles: a queda da inflação (que está convergindo para o centro de sua meta anual), o ciclo de cortes na taxa básica de juros e a elevação na renda agrícola por causa do forte aumento de exportações de commodities (onde São Paulo tem grande presença).

Expectativa

De acordo com a Federação, mesmo com a lenta recuperação que está em curso, é preciso ter cautela na avaliação da sustentabilidade dessa tendência. Isso porque o grande obstáculo para a consolidação de fato de um ciclo sustentado de recuperação das vendas, segundo a Entidade, ainda dependente de uma reativação ampla e contínua do ritmo das demais atividades que permita o aumento das taxas de emprego e consequente recomposição da renda interna da população ocupada. Na visão da FecomercioSP, as condições necessárias para isso infelizmente ainda não estão efetivadas como a estabilidade do quadro político, o controle e o ajuste das contas públicas que, por sua vez, grande parte depende das reformas nos âmbitos trabalhista, previdenciário e tributário.

Apesar disso, a Federação aponta para 2017 uma taxa de crescimento anual das vendas de 2,7% motivada pelo conjunto dos principais indicadores econômicos e suas perspectivas. A prioridade da equipe econômica para o controle da inflação e a restauração da credibilidade do mercado que permita a atração de investimentos internos e externos também refletem na taxa de crescimento.

 

TAG
campinas fecomercio São Paulo SindiVarejista varejo vendas
CATEGORIAS
Economia SindiVarejista