Comércio da região reage e fecha 2017 com saldo positivo de empregos

21 . fev . 2018 Imprimir esse Artigo

O comércio da região de Campinas registrou saldo positivo de emprego em 2017 e confirma retomada do mercado de trabalho em relação aos últimos dois anos. No total, foram geradas 1.768 novas vagas – resultado de desligamentos menos contratações. Em 2016, o ano foi encerrado com 4.797 vagas eliminadas. Os dados são da FecomercioSP em parceria com o SindiVarejista.

Dos sete setores analisados, seis apresentaram melhora. O setor de ‘materiais de construção’ saiu de um saldo negativo de 1.975 postos de trabalho em 2016 para 16 novas vagas em 2017. ‘Eletrodomésticos, eletrônicos e lojas de departamentos’ criaram 452 vagas enquanto que, em 2016, o setor fechou o ano com menos 550 postos de trabalho. A área de “supermercados” também apresentou melhora: encerrou 2017 com saldo positivo de 1.979 vagas contra apenas 509 em 2016.

Já o setor de ‘lojas de vestuário, tecidos e calçados’, mesmo com saldo negativo em 2017 – 576 postos de trabalho eliminados – mostrou sinais de melhora. Em 2016 o saldo foi negativo com 1.467 vagas a menos no mercado de trabalho.

A retomada também pode ser vista no setor de ‘concessionárias de veículos’. Apesar de manter o saldo negativo, passou de 613 vagas eliminadas em 2016 para apenas 62 em 2017. O setor de ‘autopeças e acessórios’ passou de um saldo negativo de 124 vagas em 2016 para positivo e gerou 37 novos postos de trabalho. O setor de ‘móveis e decoração’ se manteve estável: foi de 244 vagas eliminadas em 2016 para 240 cortes em 2017. Apenas ‘farmácia e perfumarias’, setor que manteve desempenho positivo durante a crise, apresentou queda. Mas, ainda assim permanece com saldo positivo: passou de 413 postos de trabalho criados em 2016 para 279 em 2017.

Para a presidente do SindiVarejista, Sanae Murayama Saito, ainda que revele uma recuperação tímida, o fato do comércio sair do saldo negativo para o positivo demonstra que o período de retração de postos de trabalho ficou para trás. “Esse é resultado de uma conjuntura de inflação mais baixa, juros em queda e confiança em recuperação que influenciaram positivamente o consumo das famílias, aquecendo o comércio e aumentando as vendas”, afirmou a presidente.

Sanae também explica que a reação dos setores mais impactados pela crise econômica, como lojas de materiais de construção, eletrodomésticos, vestuários e concessionárias, demonstra a retomada de consumo de bens mais duráveis. “Setores considerados essenciais, como supermercados e farmácias, mantiveram maior estabilidade nos últimos anos, diferente das empresas que vendem itens com maior valor agregado”, afirmou.

Metodologia

As informações são da Pesquisa de Emprego no Comércio Varejista do Estado de São Paulo (PESP Varejo), da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP) em parceria com o SindiVarejista de Campinas e Região. É elaborada com base nos dados do Ministério do Trabalho, por meio do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) e do impacto do seu resultado no estoque estabelecido de trabalhadores no Estado de São Paulo, obtido com base na Relação Anual de Informações Sociais (Rais).

Assessoria de Imprensa Sindivarejista (imprensa@sindivarejistacampinas.org.br)
Bruna Mozer e Luciana Félix – (19) 3775-5560
bruna.mozer@sindivarejistacampinas.org.br ; luciana.felix@sindivarejistacampinas.org.br

TAG
comércio dados emprego há vagas região de campinas SindiVarejista
CATEGORIAS
Economia Empreendedorismo Inovação Releases SindiVarejista