Índice de Confiança do Consumidor de Campinas apresenta leve aumento

10 . dez . 2016 Imprimir esse Artigo

O Índice de Confiança do Consumidor (ICC) de Campinas teve uma pequena alta de 1,8 ponto entre novembro e dezembro. A variação positiva é considerada muito tênue, quase que estável. O dado é apontado pelo levantamento feito pelo SindiVarejista em parceria com a FecomercioSP. O ICC passou de 104,2 para 106 pontos.

“Nessa época do ano o crescimento deveria ser maior. Porém, a crise ainda está muito intensa e isso influencia diretamente as respostas. No caso do pequeno crescimento das condições atuais, isso se deve à entrada do 13º salário, que sempre anima o consumidor”, afirmou o assessor econômico da FecomercioSP, Fábio Pina.

O indicador utilizado na pesquisa varia entre 0 e 200 pontos, sendo que abaixo de 100 significa pessimismo e, acima, otimismo. O ICC é composto pelo Índice das Condições Econômicas Atuais (ICEA), que revela a disposição em consumir neste momento, e pelo Índice de Expectativas do Consumidor (IEC), que aponta a perspectiva das pessoas em comprar no futuro, sem considerar o cenário atual.

Quando perguntado aos entrevistados sobre o atual momento, apesar da alta de 5,2 pontos ante o período anterior, o ICEA continua pessimista e apontou 71,4 pontos. Já a perspectiva futura (IEC) caiu 0,4 ponto e está em 129,1 pontos. Ou seja, as projeções para o futuro estão no campo positivo do indicador e permanecem estáveis em relação aos dois meses anteriores da pesquisa. “O dado significa que as pessoas acreditam que terão melhores condições de compra no próximo ano, mas ainda sentem certa insegurança com o momento atual e entendem que apesar das melhores perspectivas, o cenário atual ainda é muito negativo, com desemprego elevado e rendimentos em queda”, afirmou o economista.

Mulheres mais otimistas em consumir

Um dado curioso do levantamento é que as mulheres estão mais otimistas em relação aos homens, segundo a pesquisa. O IEC respondido pelas mulheres somou 152 pontos, enquanto o dos homens chegou a 108. Já o ICC feminino ficou em 123 pontos, na faixa de otimismo, ao mesmo tempo que o masculino não passou dos 90 pontos. “As mulheres tendem a ser mais otimistas, mais positivas. Isso é cultural e muito perceptivo. E também tem o fato de que as demissões no país afetaram muito mais a massa trabalhadora masculina por ter atingido principalmente a indústria e a construção, que são áreas que empregam mais os trabalhadores masculinos. Tudo isso influencia”, explicou o assessor econômico.

Além de direcionar o humor do consumidor economicamente ativo em Campinas, o índice é uma importante ferramenta de orientação aos comerciantes, que conseguem planejar melhor suas ações. “Em breve teremos uma curva histórica que mostrará o comportamento do consumidor ao longo do tempo e, por meio disso, o varejista conseguirá se pautar, fazer promoções na hora exata, arriscar ou não o estoque”, explicou a presidente do SindiVarejista Sanae Murayama Saito.

Faturamento do varejo na região de Campinas

O faturamento do varejo da região de Campinas deve atingir R$ 50,7 bilhões em 2016, alta de 0,5% em relação a 2015, segundo estimativa da FecomercioSP.  No ano passado o faturamento foi de R$ 50,4 bilhões, 15,9% inferior ao ano anterior (2014).

Dessa forma, a região de Campinas tem a segunda maior participação nas vendas do varejo paulista dentre as 16 regiões avaliadas pela Pesquisa Conjuntural do Comércio Varejista no Estado de São Paulo (PCCV), sendo responsável por 8,7% do faturamento anual total.

Assessoria de Imprensa Sindivarejista (imprensa@sindivarejistacampinas.org.br)
Bruna Mozer e Luciana Félix – (19) 3775-5560
bruna.mozer@sindivarejistacampinas.org.br ; luciana.felix@sindivarejistacampinas.org.br

TAG
campinas compras de natal final de ano humor do consumidor ICC Campinas índice de confiança do consumidor de campinas números do varejo planejamento de vendas sanae murayama saito SindiVarejista
CATEGORIAS
Economia Releases SindiVarejista