Mulheres empreendedoras da região fazem encontro no SindiVarejista

23 . mar . 2015 Imprimir esse Artigo

As experiências de três empreendedoras da região de Campinas foram compartilhadas, na manhã da última quarta-feira, 18, com uma plateia de cerca de 50 pessoas durante a palestra/debate "Empreendedorismo Feminino: uma Marca no Desenvolvimento Local". O encontro promovido pelo SindiVarejista aconteceu em comemoração ao mês da Mulher e trouxe histórias de mulheres que além de inovarem em suas profissões, atuaram no desenvolvimento de seu entorno e, criaram redes para expandir ações para o bem comum. Além do compartilhamento das histórias, o encontro proporcionou a expansão de uma rede de parcerias e ideias entre entidades, Prefeitura, Senac, Sesc e Sebrae.

A presidente do SindiVarejista, Sanae Murayama Saito, abriu o evento e apresentou algumas das principais ações do sindicato. Explicou que a entidade busca uma atuação maior, além de facilitadora, para com seus representados, propondo uma série de ações que auxiliam na gestão das empresas, com o Projeto Conexão Empresarial, que mensalmente promove palestras e grupo de estudo gratuitos para varejistas e contadores.

Explicou também a atuação do Projeto Conexão Social que realiza diversas ações educativas e sustentáveis em escolas públicas, por meio de parceiras com os Municípios, e destacou o lançamento do 1º Festival Cultural Conexão Social, recentemente aprovado pelo Ministério da Cultura para a captação de recursos com pessoas físicas pagadoras de Imposto de Renda (IR) ou com empresas tributadas por meio do mecanismo de renúncia fiscal. “Realizamos e destacamos ações que sirvam para fomentar o desenvolvimento comum. O comércio é o grande responsável pelo crescimento e fortalecimento de toda uma região”, disse.

O presidente do Conselho de Desenvolvimento Local da FecomercioSP e coordenador do Programa de Redes Sociais e Desenvolvimento Local do Senac, Jorge Duarte, também participou do encontro e falou um pouco sobre a importância da interação entre grupos proporcionada pelo sindicato.

Histórias de superação

A primeira empreendedora a se apresentar foi a juíza titular do Trabalho (TRT 15ª Região) e diretora de Cidadania e Direitos Humanos da AMATRA XV, Cristiane Rondelli. A magistrada contou um pouco de sua vida, desde infância, adolescência e até as descobertas da vida adulta que a levaram a coordenar o programa Trabalho, Justiça e Cidadania (TJC) da AMATRA XV que trabalha com  grupos e alunos das redes públicas noções de direito, deveres e cidadania, além de levar juízes para um contanto menos formal com os estudantes. “Alunos e professores têm a possibilidade de conhecer formas de exercitar seus direitos e os magistrados saem dos gabinetes e dos fóruns, deixam a toga e as formalidades, para se identificar com o povo, aprender com diferentes realidades e trazer a sensibilidade para sua formação”.

A magistrada contou que as conquistas de sua vida só ocorreram após constantes lutas. “Todo mundo pode se tornar juiz, mas é preciso ter foco e perseverança”. Cristiane contou que teve que batalhar muito para conquistar a posição. “Desde a infância quando meu pai não me colocou em uma escola mais forte durante o ensino fundamental e médio. Que era a escola do meu irmão. Ele dizia: Isso não é pra mulher. Aquilo me deixava inconformada, porém me fez querer ser bem mais”. Ela contou que estudou muito, cursou dois cursos técnicos, um de magistério e outro de edificação – nesse, era a única mulher da turma. E, na sequência, entrou no curso de direito. Lá, se apaixonou pelo direito do Trabalho. “Me encontrei. Creio que toda minha formação trouxe pontos positivos para minha atuação. Porém, ainda faltava algo mais humanizado. Fui encontrar nesse programa que leva conhecimento para os estudantes. Consegui aliar e me realizar ajudando e dando esperanças as dezenas de pessoas que tem toda uma vida pela frente”, afirmou.

Outra história de superação foi contada pela co-fundadora da Associação de Pais e Amigos da Criança com Câncer e Hemopatia (APACC) e conselheira da Casa Ronald McDonald Campinas, Carmen Buratto. A empreendedora lembrou dos anos de luta ao lado de outras nove mães que se conheceram no hospital Boldrini onde levavam seus filhos para fazer o tratamento de câncer. “Víamos as mães de outras cidades que não tinham onde ficar durante o tratamento da criança. Com isso começamos a nos organizar para dar esse teto a essas mulheres. Começamos com uma casa pequena e emprestada pelo próprio hospital. Depois conseguimos um terreno cedido pela Prefeitura e, daí foram surgindo mais oportunidades como a de ingressarmos no MC Dia Feliz, da rede Mc Donald´s. No começo recebíamos 30% do total arrecadado pela venda do lanche na data, o resto ia para o Boldrini. Depois com os anos, passamos a ter 50%. A nossa grande luta sempre foi nos afirmarmos e desvincular nossa associação do Boldrini, porque sempre que pedíamos doações, muitos afirmavam que já ajudavam o Boldrini”, disse ela.

A grande virada ocorreu com o convite para que a associação passasse a se chamar Casa Ronald. “Mas não tínhamos certeza, já que havíamos lutado para focar nosso nome. Mas vimos que seria o melhor caminho para futuro, já que um dia outras pessoas serão responsáveis pela associação”. Com isso a casa ganhou mais estrutura para atender mais mães. “Mas nossa batalha continua, pois a parte que nos é repassada garante parte dos fundos necessários para a sobrevivência do espaço. Atendemos milhares de mães e crianças que precisam de nossa ajuda e continuamos a aceitar qualquer tipo de doação”, explicou.

Além de abrigo e alimentação, a Casa Ronald, tem espaço para oficinas onde as mães das crianças confeccionam produtos que são vendidos em uma lojinha que fica na casa. Carmem ainda lembrou que muitos empresários podem ajudar a associação. “Grande parte de nossos recursos são provenientes das vendas do Mc Dia Feliz, então há empresários que compram os lanches e distribuem para outras entidades, aumentando as vendas. Mas muitos ainda podem ajudar com qualquer produto, que muitas vezes sobram no estoque do comércio e ficam sem destinação. A gente aceita e vendemos tudo para angariar fundos”, explicou.

A terceira e última empreendedora a se apresentar foi a primeira primeira-dama de Campinas, que é musicista e voluntária do Grupo Primavera, além de atuar nas áreas de Educação e Cultura da cidade. Ela destacou a importância do crescimento no número de mulheres empreendedoras de Campinas.

Sandra também contou uma fábula medieval para destacar a ação das mulheres. “Na época medieval um viajante passou por uma vila e viu três homens martelando uma pedra. Parou no primeiro e perguntou o que ele fazia. O homem respondeu: estou quebrando uma pedra. Foi até o segundo e perguntou a mesma coisa. E ele respondeu quebrando uma pedra para usar numa parede. Não satisfeito, seguiu até o terceiro e fez o mesmo questionamento. Ele respondeu afirmando que iria construir uma catedral. É isso que somos, vemos o que está a frente e não só o óbvio. Isso é ser empreendedor e aliar ao desenvolvimento de toda uma situação”, terminou.

No final das apresentações foram sorteados brindes como massagens, chocolates, kits de beleza, livros  entre os participantes. Oferecidos pelo SENAC Campinas, Maracujá Brasil, Singular Depil, Tribunal Arbitral de Campinas e Claudia Beauty.

Senac Campinas

Rua Sacramento, 490 – Centro, Campinas – SP, 13010-210
(19) 2117-0600 – www.sp.senac.br

Maracujá Brasil

Rua Doutor Vieira Bueno, 359 – Cambuí, Campinas – SP
(19) 3213-5211 – www.maracujabrasil.com.br

Tribunal Arbitral de Campinas

Rua Dr. Henrique Mangeon, Nº 5
Guanabara – Campinas – SP
Telefone (19)3243-0591 – www.arbicamp.com.br

Singular Depil

Endereço Rua Dr. Henrique Mangeon, Nº 11
Guanabara – Campinas – SP
(19) 99186-9650 (whatsAPP)

Claudia Beauty – alongamento de cílios
(11) 6393-4502.r

Assessoria de Imprensa Sindivarejista (imprensa@sindivarejistacampinas.org.br)
Luciana Félix – (19) 3775-5560
luciana.felix@sindivarejistacampinas.org.br

CATEGORIAS
SindiVarejista