Roda de histórias reuniu a trajetória de seis varejistas de Indaiatuba

25 . abr . 2012 Print This Article

Algumas histórias têm começo, meio e fim. Outras se perpetuam de geração em geração, como é o caso de alguns varejistas de Indaiatuba que aprenderam com os pais e os avós o ofício do comércio, ampliaram os negócios e hoje podem dizer com orgulho que contribuíram diretamente para o desenvolvimento do município. Uma das herdeiras do Supermercado Sumerbol, Bruna Bordonal lembra das brincadeiras de esconde-esconde nos corredores do comércio do pai na infância. “Costumávamos nos esconder atrás dos sacos de arroz”, lembra a comerciante que hoje trabalha junto com a família na administração do mercado que nasceu como um pequeno armazém montado pelo avô.

Além de Bruna, outros cinco varejistas contaram suas trajetórias durante a roda de histórias realizada na noite de terça-feira (24/04) pelo Programa Conexão Social Sindivarejista. A atividade deu início ao projeto Memória do Varejo: Indaiatuba que culminará com a produção de um vídeo documentário.

José Celeste Aun, dono de um dos comércios mais antigos da cidade, a Casa Feres, também compartilhou com o grupo a trajetória do comércio inaugurado em 1911 pelo avô quando veio do Líbano. Em 81, quando trabalhava em São Paulo após formar-se na universidade, José foi chamado pelo pai para tocar o negócio da família ao lado de um primo. “Praticamente reabrimos a Casa Feres”, recorda.

Os Planos Cruzado, em 86, Collor, em 90, e Real, em 94, foram alguns dos principais fatores apontados por unanimidade que impactaram diretamente em seus negócios. “Hoje damos risada ao lembrar do período em que os preços chegavam a subir duas vezes ao dia, mas na época a vontade era de chorar”, recorda Carlos Pistoni, do Supermercado Pistoni.

A duplicação das rodovias de acesso ao município, a ampliação do parque industrial e a criação do Parque Ecológico também foram mencionados por todos como alguns dos principais marcos do desenvolvimento de Indaiatuba. “Achei o projeto Memória do Varejo interessante porque acabou unindo a vida, a história e as conquistas do comércio local, esse encontro deixou claro que as histórias se entrelaçam, achei bem bacana”, considerou Bruna Bordonal.

Segundo o coordenador pedagógico do Conexão Social Sindivarejista, Cristiano Barbosa, a essência do projeto Memória do Varejo é compartilhar as histórias de vida e como elas se ligam fazendo a história da cidade. “Quando mostramos nas escolas o vídeo com depoimentos de comerciantes da região do Ouro Verde, em Campinas, a história do empreendedor se faz muito forte”, mencionou Cristiano.

A presidente do Sindivarejista e idealizadora do Conexão Social, Sanae Murayama Saito, reforçou a importância de o comerciante se reconhecer como agente responsável pelo desenvolvimento do seu bairro e do seu município. “Não paramos para pensar na importância que temos, que o bairro cresceu porque temos um comércio bom. Precisamos ter orgulho de sermos comerciantes”, aconselhou.

O coordenador geral do Conexão Social, Roberto Goulart Junior, explica que o projeto Memória no Varejo tem a participação dos alunos e professores do Programa Educação para Jovens e Adultos (EJA) das EMEBs Leonel José Vitorino Ribeiro e Professora Áurea Moreira Costa. Todos eles produzirão um livro para ser apresentado durante a Feira Literária, em outubro.

Fonte: Assessoria de Imprensa Sindivarejista (imprensa@sindivarejistacampinas.org.br)
Adriana Menezes e Araceli Avelleda – (19) 3775-5560
adriana.menezes@sindivarejistacampinas.org.br ; araceli.avelleda@sindivarejistacampinas.org.br

CATEGORIAS
Conexão Social SindiVarejista